Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

{ Dos últimos dias. }

happy.jpg

 

(Tira tempo para fazeres o que torna a tua alma feliz.)

 

E é isto que tenho tentado fazer: criar, costurar e elaborar coisas que fazem a minha alma feliz. Não só porque mereço mas também para ocupar a cabeça, a mente, o cérebro.

 

Não consigo ter a paz que preciso e mereço. Acontecimentos sem nexo vêm ter comigo, estando eu tão sossegadinha aqui no meu canto. Acho que nunca respirei fundo tantas vezes na vida. Agir muitas vezes é perder a razão, por isso, ignorar, ser indiferente é o melhor remédio e é a melhor resposta que se pode dar ao que nos tenta afectar. 

 

Just breathe, Miss Pepper, breathe!

De volta à vida real.

Estou de volta à minha rotina. Acabaram-se as férias no meu castelo altaneiro com o meu príncipe e o meu fiel escudeiro. 

 

É um regresso à "real life", ao enfrentar dos problemas, à busca de soluções ao seguir em frente de garras afiadas e dentes à mostra nesta luta diária que agora se impõe.

 

A vida dentro de uma bolinha de sabão que nos protege do mundo apesar da sua fragilidade, terminou. O "luto" também vai aliviando, embora o sentimento de injustiça e de incredulidade pelas justificações dadas continue a pulsar dentro de mim num qualquer cantinho recôndito.

 

Apesar de tudo, já encaro as coisas de outra forma, o tempo ajuda sempre a olharmos as coisas com uma dimensão diferente. 

 

Não perdi a Esperança de que as coisas melhorem, de que isto não passe apenas de (mais) uma fase menos boa e que irá passar. Tenho Esperança  que algo bom esteja reservado para mim. Quero muito acreditar nisto.

Enfim, a normalidade.

O meu lindo e amado computador (olha a graxa...!), resolve sempre avariar-se quando eu mais preciso dele. Mas é uma coisa à qual já me vou habituando, no entanto, não sou capaz de deixar de ficar danada!

 

Realmente, a semana passada só me aconteceram coisas para me porem à prova. E eu resisti e ultrapassei-as sem me enervar. Claro que fiquei meio abananada mas passou.

 

Começando pelo meu querido e amado PC com aqueles "achaques" que lhe deram mas que o meu ácaro alentejano lhe tratou da saúde. Estive vários dias a trabalhar com o meu mini PC que é girinho, branquinho e lindinho mas que tem um micro ecrã e eu sou mais cegueta que um morcego. Tenho a dizer que gosto muito de ti, brancolinhas, mas só para pesquisar, escrever... não!

Depois foi a odisseia do passe social, do título de transporte. Eu, Miss Pepper, mais tesa que um carapau, a ter que gastar os seus últimos trocos em fotografias para o desgraçado do passe. Tinha que ser e lá fui eu até ao fotógrafo para depois ir, finalmente, pedir a renovação do dito cujo.
r
Chego ao fotógrafo, digo o que quero, manda-me sentar no banquinho e virar para aqui e para ali. Pede-me para aguardar um bocadinho para eu depois ir escolher a foto que quero para ele imprimir. Escolha feita e uma eternidade para imprimir... Surge a cabecinha do fotógrafo por detrás da parede que me diz "ó menina tem muita pressa? É que tenho um problemazinho na impressora, ela não quer imprimir... Dá-me meia horazinha?" Com o pensamento de que "devia ser tão feia, mas tão feia que até encravava impressoras", lá dei meia horazinha ao homem.
r
Fui beber café, espreitar uma nova loja do chinoca que aqui abriu com coisas giríssimas e cujo fabrico é europeu (menos mal), e mais umas voltinhas para me entreter. Já com as fotos na mão, vou à casinha dos passes para, finalmente, pedir a renovação. E não é que a trombuda que lá está me diz que leva DOZE dias para me fazerem o passe?!?!? Tive três chiliques logo ali. Barafustei, e de seguida vim-me embora. Decidi que iria segunda-feira à estação do Metro fazer o passe que é de um dia para o outro.
r
Depois fui à procura de um tecido que precisava. Corri a minha cidade toda e não encontrei. E não encontrei porque as retrosarias estão em vias de extinção. Epá, que desgosto! Mas também já consegui resolver este problema.
r
No fim das contas, tudo está bem quando acaba bem. :)

 

E a minha vida é assim!

 

Acordei cedíssimo com uma carga de chuva que pensei que ia arrastar tudo com ela. Mas não foi só com a chuva que acordei... a minha amiga também acordou comigo! Aquela, que vocês já conhecem e que me visita muitas vezes: a enxaqueca!

 

Fui tomar banho e aproveitar para massajar a cabeça enquanto a lavava, tomei café, espirrei (já faltavam estes, não é?) e já tomei um analgésico. Mas a dor de cabeça e as náuseas ainda permanecem. Gosto muito da minha amiga, mas à distância!!!

 

Isto deve ser reflexo das dores de cabeça que o meu PC me tem dado. a mim e ao N.! O meu outro PC andava só a pifar: era erros de tela azul para aqui, engasgos para ali e séculos para eu conseguir fazer algo. O meu N. comprou-me um recheio novo e, no fim de semana, esteve a montá-lo. Escusado será dizer que este presente é impagável. O meu melhor amigo, o meu amor da minha vida é assim, de vez em quando, tenho estas surpresas. O meu agradecimento público para ele.{#emotions_dlg.kiss}

 

Mas é claro que na minha vida há algumas rosas mas há muuuuitos mais espinhos. E este momento do novo PC tinha de haver alguns espeinhos. Desta vez o espinho chama-se "impressora". 

A minha impressora já é velhota, é do tempo do meu estágio de professora. Mas trabalha impecavelmente, não perdeu qualidade nem rapidez. Está fartinha de trabalhar - como devem calcular - e não tenho um único reparo a fazer. Até agora. Então não é que não consigo instalar a minha HPzinha no Windows 7? Então se não consigo instalar no W7, vou instalar no meu XP virtual e resolve-se o problema. Pensava eu...! Pois nem assim consigo, apesar de anteriormente a ter instalada no XP. E como os dinheiros estão mais do que curtos, inexistentes mesmo, estava a ver se conseguia não ter de comprar outra.

 

Pois tenho a dizer-lhes que o meu fim de semana e feriado foram passados a resolver estes problemas informáticos pois o meu PC é essencial ao meu trabalho. E cada vez mais pois o director do colégio colocou na net muitos dos recursos diários essenciais para o nosso trabalho.

Acabei por não conseguir fazer nada do que queria no que toca a artesanato. Apenas apareceram algumas fotos no meu blog dos materiais porque já estavam programadas. 

 

Ah, e o problema da impressora não está resolvido! A saga continua...

Tristeza

Uma das situações mais confusas que há, é quando alguém está chateado connosco e nós não temos a mais pequena ideia do motivo. Pensamos, repensamos mas não chegamos a conclusão nenhuma.

Tentamos investigar qual o motivo mas cortam-nos a comunicação: não nos atendem o telemóvel, não respondem a mensagens ou qualquer outra tentativa de comunicação. Ao princípio ficamos cheios de angústia, de preocupação e só no fim percebemos que, afinal, estão chateados connosco.

O que não entendo é o porquê da fuga da confrontação do outro com aquilo que está a incomodar. Será que o outro não tem o direito de saber o porquê? Não tem o direito de se defender, de se justificar? É assim que se resolvem os problemas? Não é a conversar que as pessoas se entendem? Parece que não...

E é desta maneira que se causam os atritos, os mal entendidos, as pequenas raivas, as mágoas, as sensibilidades...

A vida é tão curta e há coisas tão belas para viver, será que vale a pena "perder o tempo" alimentando momentos destes? Ultrapassar obstáculos, resolver problemas é mostrar que se ama. Ninguém disse que viver é fácil e, muito menos, que as relações humanas são fáceis. Mas vamos respirar fundo, lavar a cara e enfrentar os problemas da vida com coragem e atitude. Um belo dia de sol não tem de terminar com uma tempestade chuvosa...

Cenas De Vida.

 

Estes dias tenho andado meia chocha. Sinto-me cansada, principalmente quando venho da pinguinolândia. Mas eu até tenho uma explicação meio sobrenatural para isto.

 

Passei um fim-de-semana triste devido à morte da cadelinha caniche dos pais do N., e que o deixou completamente destroçado também. Fartámo-nos de chorar os dois.

A única alegria do meu fim-de-semana foi ter ido ver a minha B. cantar num Encontro de Coros Infantis que decorreu na Amadora. E que bem que a minha pequenina se portou. Até parecia uma menina já grandinha!

 

Depois comecei a semana com a minha mãe a mandar bitaites acerca do meu insuflamento por causa da tiróide. Ela acha que eu sou assim porque quero. Que a força de vontade é uma espécie de magia que aparece com um simples estalar de dedos.

Sim, é verdade que algumas calças me deixaram de servir. E cada vez que vou experimentar a minha roupa e não me serve, imaginem como eu fico. É uma mágoa bem grande e profunda. Não preciso de uma mãe a azucrinar-me mais a cabeça, para me mandar ainda mais para o fundo do poço.

 

No entanto, já me livrei de uma pedra no sapato mas ainda lá ficou uma daquelas pequeninas chatinhas, que mesmo abanando o sapato elas não querem sair do sítio. E de que é que eu estou a falar? Dos tais livros que nunca mais chegavam apesar dos meus emails, SMS, telefonemas e promessas aos santinhos todos. E como esta história tem sido mais que rocambolesca, não podia acabar assim, com a chegada triunfal dos livros e com tudo certinho. Ah pois é! Pra estragar tudo falta o software para os quadros interactivos. E quem se lixa no meio disto tudo? Sempre a mesma: EU!!!

 

 

P.S.: Não pensem que me esqueci de vocês, não. A verdade é que tenho andado meio chocha e com resmas de coisas para fazer, por conseguinte, o blog tem estado em banho maria. O meu e os vossos. I'll be back!{#emotions_dlg.blink}